No Extremo do Prazer

por Lena Lopez 

Deito-me sobre o frio dos lençóis de seda, olho as paredes, o teto, o sono não chega. 
Rolo na cama de um lado para o outro. A impaciência se aproxima, os anseios remoem, os desejos se fazem presentes. 
Abro as cortinas das minhas quimeras, surgem os primeiros devaneios. Sonhos, fantasias e imagens, faço sexo com meus pensamentos. 
Pelas ideias confusas passam sentenças, que concebem libidinosas, tantas imaginações. Vejo-me num mundo sensual e libertino, onde não há regras e nem limites. Bocas, línguas, dedos, seios, falos e vaginas, são os elementos do meu universo. O pensamento voa à sensualidade e na cabeça construo estórias de corpos sedentos.
Junto tudo à vontade pelo sexo ardente, imagino um beijo à consumir meu desejo. Aprofundo as ilusões e o beijo me leva à devaneios. Corpos cruzados, contato de peles, suor escorrendo, gemidos difusos. Laços de línguas, estalos de beijos, gosto e cheiro de sexo, mãos e dedos sem pejos. Pensamentos impudicos semeiam-me a mente, a vontade me abate, vou ao delírio por inteira.
Toco meu corpo, sinto na minha boca sedenta e faminta, o gosto de pênis e vaginas e, nas minhas narinas o perfume dos vapores de paixão escaldante. Torno-me sequiosa. Meu corpo exala desejo em todos os seus poros e o tesão corre por todas as minhas veias e  agrego tudo isso na ponta dos dedos. 
Dominada pelo desejo, me excito e me molho, quero sexo, prazer, gozo e não tenho.
Continuo me tocando, explorando-me com os dedos. Louca e perdida, entre os devaneios, tanjo a volúpia presente nos meus seios e açoito os mamilos crispados de anseios. Uma dor concupiscente se alastra em meu ventre, me revela a vontade de agasalhar um membro duro e quente e na falta dele, com toda a minha fúria, agasalho meus dedos. Exploro as minhas entranhas, vou ao fundo delas e meus dedos entram e saem com impetuosidade. Fustigo meu sexo e escorro prazer, me invado com furor e derramo desejo. Maltrato o clítoris percutindo-o com a ponta do dedo e em frenesi fricciono com violência.
O deleite me abona, vou ao extremo do meu prazer solitário e estremeço por inteira, me torço, retorço, aperto meu sexo com furor, ondas vibrantes percorrem meu corpo, perco os sentidos, grito desesperada e gozo, derramando e desaguando-me como um rio em torrentes.

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"

Todos os Direitos Reservados

All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

***********************************
ATENÇÃO COMEDORES, leiam antes de comentar:
Comentários que contenham, endereço de e-mail, telefones e propostas para relacionamentos, não serão publicados, para isso existem sites especializados. Também terão o mesmo destino, comentários ofensivos, discriminatórios e preconceituosos.
***********************************
OBRIGADA PELA SUA VISITA!