Muito Quente

por H. Thiesen 

Quente, como quem vem do inferno, vens me atentar. Me instiga, me provoca, me excita e me deixa molhada, louca, pirada, fora de mim. Me beija, me lambe, me morde e me aperta. Me deixa babada, marcada, arranhada e ardida.
Vem logo, passando tua língua no meu pescoço, nos ombros e nos seios. Vem, me beijando, lambendo, sugando e mordendo os meus mamilos. E, desce desfilando a tua saliva na minha barriga, circulando o meu umbigo e prossegue descendo, como se estivesse com uma fome leonina ou com uma sede de dias, à procura da fonte com a água para te saciar.
Vem e encontra, o meu cálice transbordado de mel. Te jogas à ele sem cerimônia e te abastece, me fazendo pirar. Ainda não satisfeito, decide sem me pedir permissão, mais um pouco ficar. Na boca queres a minha última gota, não vejo outra saída, a não ser deixar te lambuzar. Eu enlouqueço de vez, definitivamente me perco, pois eu te queria já, dentro de mim. Tua boca voraz se apossa das minhas entranhas e a tua língua felina lambe, serpenteia e adentra buscando mais mel. Eu saio do chão, rebolo e remexo, não mais me aguento, não me suporto e me deixo gozar. Me olhas com olhos safados e sorriso de quem ganhou um jogo e exibe o troféu. Eu te puxo pelos cabelos, te trago à boca, quero provar do meu gosto. Te abraço, te enlaço com as pernas e te deixo entrar. Preso assim tu és meu, não irei te soltar enquanto não extrair a tua seixa. Corro minhas mãos em tuas costas, agarro a tua bunda e cravo as unhas. Aperto as pernas, te trago pra junto de mim com meus pés. Te quero colado, sem nenhum espaço, bem dentro de mim. Arranho tuas costas, deixo na tua pele meus rastros de fêmea no cio. Mordo tua boca, me enrolo em tua língua, não te deixo respirar. Levo minha mãos a tua nuca, para do meu beijo não escapar, com a outra te acaricio às costas e a sobra do teu peito, que escapa aos meus seios suados. Te sinto entrar e sair, roçar e bater com força no meu botão. Meu corpo está incendiado, quero que me apagues. Tua respiração fica descontrolada, teu coração acelerado, o rubor do teu rosto me diz que chegou a hora. Eu me afrouxo, me deixo sentir as tuas estocadas finais. Tu explodes em gemidos altos, como um leão em pleno gozo. Meu corpo estremece e eu me reteso de tanto tesão. Eu entro em êxtase e me entorpeço, num gozo imenso!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

2 comentários :

  1. ... "Vem e encontra, o meu cálice transbordado de mel. ..."
    Aiaiaiaiai... menina.... essa metida assim, desse jeito.... já nem sei mais o que é isso!!!
    Isso é provocação em excesso.... ou sacanagem com os amigos...!!!

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso sei que ja te visitei e agora que sei que tu és amiga da Leoa e vim aqui e fiquei maravilhado com o texto e me servi dele para fazer um dialogo poético em tua homenagem, espero que goste e volte sempre a me visitar, pois vou ler outro aleatoriamente, os antigos teus e fazer outro poema , mais forte e excitante, por isso deixo aqui o poema e logo vou postar no meu Blog, mil beijos !!!


    Quente Sodomita

    Tu és que faz e atinge quem provoca e excita
    Você é quem dita minha pegada e não me evita
    Tu és que pirada babando toda molhada acredita
    Você me beija, me lambe, provoca sou troglotida

    Eu que me sirvo da tua pele suave, bunda bendita
    Enfio língua nas curvas e vales, na tua vulva permita
    Deslizo para mais dentro beijo grego e tu grita
    Desenho com os dedos tua buceta afrodita

    Tu és quem suga e chupa o pescoço, boca bonita
    Você revela os seios, mamilos rijos de uma senhorita
    Tu és que se abre beijando, querendo falo que te visita
    Você recebe inteiro dentro de ti com movimento, repita

    Eu lobo mau desço e subo entre coxas meu pau orbita
    Aprofundando na tua vulva separando lábios são pepitas
    Em ti sem permissão eu habito, quero mel de santa carmelita
    Assim faço e desfaço você geme e no teu cu dedo dita

    Tu és só loucura em cio puxa cabelos, não resista
    Você quer tudo ao mesmo tempo goza explicita
    Tu és fêmea perene de cio transbordando, rabo recita
    Você se torna parte de mim, suados e febris sodomita

    Almeida Lucius™
    18/08/2016
    Para Helena Thiesen

    ResponderExcluir

***********************************
ATENÇÃO COMEDORES, leiam antes de comentar:
Comentários que contenham, endereço de e-mail, telefones e propostas para relacionamentos, não serão publicados, para isso existem sites especializados. Também terão o mesmo destino, comentários ofensivos, discriminatórios e preconceituosos.
***********************************
OBRIGADA PELA SUA VISITA!