Aventuras sexuais de um moleque do interior

por H. Thiesen 

Juro, juro que é verdade, tanto que se não for, quero morrer de grelo inchado e roxo!
Eu sou gaúcha, nascida e criada no interior do Rio Grande do Sul, já contei muitas outras histórias verídicas por aqui, é só procurar que você acha.
Hoje vou contar a história do João Carlos, meu primo lá das grotas, um moleque muito safado, criado em galpão, como dizem nos Pampas Gaúchos.
Jocarlos, como nós o chamávamos, era um caso muito sério e um menino muito atrevido e desde pequeno tarado.
Quando Jocarlos estava ficando homem e os hormônios começaram à aflorar, a polvorosa se instalou em no sítio do meu tio. Jocarlos, não podia mais ver tetas e as fêmeas do sítio tinham que ficar bem longe dele, nem as minhas escapavam. Um dia bati nos dedos dele, até sangrar, com uma régua da escola e mesmo assim, minhas tetas continuaram correndo perigo!
Jocarlos era muito sedento e o que se contava e mais se ouvia nas rodas de chimarrão, era que ele vivia com o pinto assado de tanto socar punheta. Depois que eu soube disso, comecei a cuidar os modos do meu primo tarado e vi com meus próprio olhos, que a terra há de comer, que tudo o que las pessoas diziam, era com razão!
Jocarlos não poupava as galinhas e sem cerimônia nenhuma, passava a régua, digo o pinto, nas pobres penosas, que se atreviam passar pelo quintal. Coitadas, ficavam rengas de tanto picaço. Creio que Jocarlos pensava que era ele o galo e dono absoluto do cabaço das frangas.
Para Jocarlos, qualquer bicho com buraco tinha que ser passado na pua, não importava se era galinha da angola, gansa, marreca, perua, pata e fodia até as emas, só não comia abelha, por que tem ferrão na bunda.
Porém, o guri cresceu e virou um belo rapaz, razão pela qual, as galinhas já não lhe serviam e ele resolveu mudar, deixou a criação do quintal e passou para o rebanho. Foi a vez das ovelhas, mulas, terneiras e vacas. Jocarlos não podia ver uma delas pastando, que ia passando a guasca! Devagar, se aproximava, agarrava-as por trás e cravava o pau de sopetão. 
Muitas vezes ele escapou de ser pego de surpresa, nos dias de marcação, quando o rebanho era marcado à ferro em brasa e o gado estava toda reunido, os peões corriam para ver, por que as vacas estavam aos berros e alvorotadas
Muito tempo depois, já cansado de tanto foder, resolveu se acomodar, escolheu uma potranca e só fodia com ela. Não tinha hora, logo de manhã cedo, quando levantava de pau duro, ainda com tesão do mijo, mandava ver na xereca da potranca. As vezes nos passeios matutinos, se pelo caminho encontrasse um barranco, não fazia cerimônia e dava um jeito de barranquear a égua. Um dia ele se deu mal, a potranca devia estar naqueles dias, talvez de mal humor, com TPM, ou coisa de fêmea ciumenta e deu-lhe um coice nos bagos, que os ovos foram parar na bunda e o pinto ficou inchado. 
Certa vez resolvi pregar uma peça no meu primo tarado. Fiquei esperando de tocaia, deixei ele baixar as calças, subir no banquinho e se enfiar na potranca. Quando estava distraído, naquele ânsia do vai-e-vém, quase gozando, saí de meu esconderijo, parei quase do seu lado e da garupa do meu cavalo, falei:
- Buenas taaaaaaardes, bom proveito!
Jocarlos me olhou assustado, arregalou os olhos, deu um pulo para trás e saiu correndo, tropeçando nas bombachas arriadas, até sumir no meio do mato!
Bom, mas temos que entender o rapaz, mulher no interior é coisa muito escassa, ainda mais naquela época!
Mas, Jocarlos no aprendeu a lição, acredito que a potranca virou un vício. Um outro dia, em plena atividade sexual, equinamente falando, uma prenda, filha do capataz do sítio do meu tio, viu o safado grudado nas ancas da pobre equina:
- Credo, que relaxado, coisa feia! Não tem mais o que fazer?
Entretanto, o mais interessante, é que ela falou e ficou parada, até acho que querendo trocar de lugar com a potranca!
Jocarlos botou os olhos naquela morena, deixou de lado a potranca, virou para ela com cara de tarado e com o pinto reluzente e balançando partiu para cima!
Então, eu vi com os meus olhos a primeira foda de verdade do Jocarlos. Coitada daquela prenda, foi fodida como uma égua!
Uma noite, estávamos todos numa roda de chimarrão, jogando conversa fora e meu tio, pai de Jocarlos, chegou aos berros, gritando com aquele sotaque gaúcho e falando afobado para a minha tia:
- Mulher, a potranca está prenha!
Jocarlos esbugalhou os olhos,levantou-se da cadeira e não deixou ninguém falar:
- Tá prenha, mas a cria não é minha!
Essa é a história do meu primo do interior, rapaz muito safado!
Bem, juro que é verdade! Mas tenho que parar por aqui. Vou ao médico, meu grelo está inchando e, ai gezuis, está ficando roxo! Será que vou morrer?

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Vadia... Quero te ver gozar!

por H. Thiesen 

Sem deixar-me resistir, ele amarrou minhas mãos e, em seguida, os meus pés, com grande agilidade e com um sorriso nos lábios, deixando-me presa à cama. Seus olhos nunca se afastaram dos meus, enquanto ele se movia em torno de mim e em poucos instantes, eu me vi imobilizada pelos lençóis que lhe serviram de cordas.
Lentamente, ele arrastou um dedo pelo meu corpo. Apenas um, tortuosamente lento e passando por todas as dimensões da minha pele. Meus pensamentos, como se encobertos por uma neblina, davam-me apenas idéias difusas e o resto de mim, só reconhecia excitação.
Ele assistia ao colapso do meu corpo, que usava os poucos movimentos que tinha, para expressar o prazer que eu sentia e encarava-me o rosto, enquanto meus olhos tentavam focar-se aos seus.
Ele observava cada movimento e torturava-me com seu dedo, dando-me mais prazer.
O dedo pressionava firme contra o seu alvo e circulava lentamente meu clitóris, que já se encontrava sensível e intumescido. Enquanto isso, eu contorcia meu corpo à esmo, tentando absorver as sensações e imergia num oceano de prazer e a minha espinha, parecia querer dobrar-se sobre aquela cama.
- Por favor, não! - Eu queria lhe dizer, mas não tinha certeza de que eu estava querendo. Algo pedia-me para implorar a ele que cessasse, mas ao mesmo tempo, algo dizia-me para deixá-lo terminar.
Nada lhe importava mais, este era o seu prazer, seu propósito e eu me entreguei. Perdi completamente o meu domínio. Minhas entranhas e cada músculo do meu corpo tornaram-se instrumentos para dar-lhe o que ele queria.
O brilho de suor resplandeceu a minha pele, enquanto derramava um néctar abundante pelo meio das minhas pernas. Logo, nada mais poderia me segurar, frente àquelas carícias circulares e implacável, sob o comendo de seu único. Eu me via ondulante e contorcendo, debatendo-me incansável sobre a cama.
Ele levantou os meus quadris e levou-me para perto, abriu as minhas coxas e mergulhou a sua cabeça entre elas. Gemi desesperada ao sentir o calor da boca e a sua língua me invadir. Rastejando sobre meu corpo, veio à minha boca e me beijo e enquanto me beijava, me possuiu de uma vez só, até o fundo da minha entranha.
Sem fôlego, esforçando-me para manter a razão, sob seu ritmo alucinado e uma determinação obstinada para me dar prazer, eu tinha picos avassaladores de sensações indescritíveis e pedia-lhe para que parasse:
- Ah, sim! Eu com isso! - dizia-me ele.
E, como se fosse o proprietário do meu corpo, ordenou:
- Goza puta! Vadia... Quero te ver gozar!
Mesmo com as mãos e os pés atados, quase sem poder me movimentar, respirei fundo e movendo meus quadris freneticamente, contribui naquele ato de devassa. Com uma das mãos, ele agarrou meu rosto com força, enfiou um dedo em minha boca e mantendo-me pressionada contra o colchão, imprimiu um ritmo alucinado, me deixando totalmente atordoada.
- Agora cadela, quero ver! - disse-me ele.
Sem perder o ritmo e a cadência, como um cão enfurecido que possui a fêmea, não parou mais, até eu não ter mais nada para dar e ver as minhas forças se esgotarem em um orgasmo torrencial. 
Então, vendo a minha exaustão de pois do gozo, ele encontrou um pouco mais de forças para si e deixou-se jorrar dentro de mim.

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Uma vez numa rua de Londres: Puta por um dia!

por H. Thiesen

Ele parou o carro, abriu o vidro ao lado da calçada, olhou-me de cima à baixo. O Cabelo nos ombros, a camiseta curta e vermelha, umbigo de fora, a mini-saia preta, meias arrastão e botas no joelho.
Depois sorriu e perguntou:
- Carona?
- Não, obrigada!
- Vai para onde?
- Lugar nenhum!
- O que uma mulher tão bonita faz por aqui?
- "Trabalhando"!
- Quanto?
- Cem pounds!
- Tudo isso? Vale a pena?
- Você é quem sabe!
- Entre... - Disse-me abrindo a porta do BMW.
- Tudo bem!
- Para onde? Green Park?
- Não, no motel, dobre a esquina.
Ele fixou-me com o olhar, tirou-me o rumo por um instante, nunca havia sentido aquilo, daquele jeito. Tomei novamente as estribeiras, recompus-me do embaraço e me despi, jogando a roupa e as botas ao lado da cama. Ele despiu-se, mas com cuidado pendurou a roupa no cabide da parede. 
Em silêncio veio em minha direção, sem pedir licença tomou-me nos seus braços e começou a beijar o meu pescoço. Empurrei-o:
- Está faltando alguma coisa!
Ele deu meia volta, pegou a carteira no bolso das calças, contou as notas e me alcançou. Guardei-as na bolsinha vazia.
Novamente ele se aproximou, parou a minha frente, segurou-me pela nuca, puxou-me e me beijou. Depois deslizou a sua língua até a borda da minha orelha e a lambeu. Senti meus pelos eriçarem, os bicos dos meus seios endurecerem e comecei a ficar molhada entre as pernas. Meu sangue ferveu, correu quente da cabeça aos pés e o desejei inteiro dentro de mim. Queria que me machucasse, que me devorasse e me libertasse de mim mesma. 
Um tesão enorme se apossou de mim. A vida toda eu havia sonhado com algo assim. Queria ouvi-lo me chamar de puta e ser comida sem sentimento algum. Eu queria me sentir uma cadela devassa e única dona do meu tesão, sem ter que me preocupar em dar prazer e aproveitar-me de tudo o que aquele estranho tinha para me oferecer. Apenas queria ter como resposta o seu gozo, pelo qual ele me pagou.
Mas eu queria mais, eu o queria inteiro. 
Ele me jogou na cama, deitou-se sobre mim, beijou os meus seios e abri as minhas pernas para ele entrar. Deliciei-me com o vai-e-vem, com a sua falta de ar e com a sua voracidade para me comer. Eu me entreguei do jeito que eu queria e dei-lhe o melhor que eu podia pelo sexo que havia lhe vendido. Mas aproveitei ao máximo, cada milimetro do seu prazer enrijecido e deixei me acabar em um orgasmo intenso.
Ainda esperei, pelo seu gozo e deixei ele jorrar, dizendo-lhe palavras obscenas:
- Goza, goza, dentro dessa putinha!
Vestimos nossas roupas, entramos no carro, ele me deixou no mesmo lugar onde me encontrou:
- Tem telefone?
- Tenho!
- Posso te ligar, para outra vez?
- Claro!
Disse-lhe o número e ela anotou em sua agenda. Depois desembarquei e ele foi embora. Mas antes disse-me o seu nome.
Alguma semanas depois, ele me ligou:
- Alô! Lembra de mim?
- Não, desculpe-me!
- É o Jeremy! Fizemos um programa alguns dias atrás!
- Ah, sim lembro!
- Eu gostaria de outro programa!
- Desculpe-me, mas não faço programas!
- Como assim, parou?
- Não, nunca fiz!
- Mas...
- Aquele dia, foi a primeira e a última vez! Foi tudo uma fantasia!
- Como?
- Uma fantasia, eu queria me sentir como uma prostituta!
- Puxa, não imaginava isso! Mas gostaria de vê-la mesmo assim!
- Por que não! Se eu não quisesse, você não teria o meu telefone!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Horas de Tesão

por H. Thiesen 

Tem certas horas,
que o desejo me queima,
o meu corpo arde,
e pego fogo!

Tem certas horas,
que o desejo escorre,
o meu corpo umedece,
e eu derramo!

Tem certas horas
que o desejo clama,
meu corpo estremece,
e eu gozo!

Tem certas horas...
Ah! Certas horas
de pura agonia,
horas de solidão e tesão!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Beto e Michele: Minha amiga é bi!

por H. Thiesen 

- Beto, preciso te dizer uma coisa...
- Fala, ué!
- Sabe a Lurdinha?
- Sei!
- Nós somos amigas desde a infância!
- Isso eu já sei, qual novidade?
- É que ontem eu dormi com ela!
- Tá... E daí? Você sempre fez isso!
- Não Beto, não é isso!
- O que então?
- Bom, nos duas transamos!
- Que legal!
- Legal Beto? A gente sempre transa!
- Claro que é legal!
- Beto eu te traio com ela!
- Ahahahahahahahah!!! Isso não é traição!
- Como não?
- A Lurdinha é mulher oras! E eu já sabia, todo mundo sabe que ela gosta de buceta!
- Mas eu e ela fizemos sexo, acha isso normal? Eu e você estamos juntos!
- Qual é o problema? Ela é mulher!
- E se ela fosse homem?
- Aí é diferente, teria pau!
- E só por causa de um pau é traição?
- Claro, mulher com mulher não dá nada!
- Beeeeeto! Nós fizemos de tudo!
- Tudo? Você chupou aquela buceta?
- Claro e ela me chupou também!
- Nossa que tesão!
- Tô abismada Beto, você sempre foi tão machista!
- Não sou machista!
- Claro que é!
- De onde você tirou isso?
- Lembra quando eu te falei pra fazer uma suruba com a Lucinha?
- Lembro!
- Então você não quis!
- Claro, o namorado dela também ia te comer!
- Pois é Beto, você podia comer ela e ele não podia me comer!
- Você está confundindo!
- Como assim?
- A Lurdinha é a Lurdinha, A Lucinha e o namorado é outra história!
- Que outra história Beto, foda é foda de qualquer jeito!
- Não mesmo! Você e a Lurdinha só se chuparam!
- Você que pensa!
- Como?
- Ela também me comeu com o consolo!
- Grande coisa, é de borracha!
- E o namorado dela viu tudo!
- O queeeeeeeeeeeeeeee?
- É, ele tava assistindo!
- Peraí, isso não está certo!
- A pouco estava e você disse que não dava nada!
- Mas agora é diferente!
- Diferente, ele nem me tocou!
- Mas viu e no mínimo socou uma pra você, olhando pra essa bunda aí!
- Bom, ele socou punheta mesmo!
- Viu! Eu to certo! To decepcionado!
- Decepcionado por que? Só quis te contar e ser sincera contigo!
- Nunca esperei isso de você!
- Isso o que?
- Ficar nua na frente de outro!
- Mas ele nem me tocou, me respeitou, eu só transei com ela!
- Mas viu o pau dele?
- Claro como eu não iria ver?
- E ainda confessa!
- Beto, eu não fiquei de olhos fechados!
- Daqui a pouco você vai dizer que ele tem pauzão!
- Bom, não é tão grande, mas...
- Mas o que? Vai dizer que pegou na mão!
- É claro que não!
- Mas... mas... o que?
- Beto deixa pra lá!
- Vâmo, fala logo, mas... o que?
- É maior que o teu!
- Puta que pariu! Olhou e ainda ficou comparando!
- Não comparei, é que ficou na cara!
- To me sentindo humilhado!
- Por que ele viu, ou por que teu pau é pequeno?
- Porra... Mais isso ainda!
- Sabe o que eles me falaram?
- Que se você concordar eles topam uma transa à quatro!
- O que? Ele só ta querendo te comer!
- Não Beto, nós quatro juntos!
- Hum, surubão?
- É!
- Eu com ela e ele com você?
- E eu com ela e você com ele! Ele é bi também!
- Tá doida, isso é putaria!
- Tá me chamando de puta?
- Não, não disse isso!
- Como não? Eu transo com mulher, gosto de suruba, só não faço por que você não quer e eu respeito!
- Já disse, mulher com mulher tudo bem! Mas homem com homem é diferente!
- Beto ele é passivo, só dá! Você não precisa dar para ele!
- Caramba, o cara é bixa enrustida!
- Bixa não Beto, é bi!
- Então... Ele dá o cuzinho e é bi? Não é?
- Sim é bi e dá!
- Viu! Bi de bixa!
- Beto eu desisto, você é muito machista! Quando o assunto é sexo você é zero à esquerda!
- Mas você gosta e goza como louca comigo!
- Mas gozo bem melhor com a Lurdinha!
- Aé! Tá proibida de dormir na casa da Lurdinha!
- E se ela vir dormir aqui?
- Aí tudo bem!
- Bem, por quê?
- Por que daí eu vou poder ver a pegação!
- Seu cretino!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Para amor... Hoje não!

por H. Thiesen 

Não amor!
Paaaaaaaaara!
Eu disse que não!
Não! Hoje não!
Para... Não tô a fim!
Vai, deixa para amanhã!
Não tô legal!
Ah! Não faz assim!
Você me arrepia.
Tô cansada,
O dia foi chato.
Amor, não!
Pára!
Tira a mão daí!,
Não... não!
Não vai dar!
Hum, adoro isso!
Não! Amor! Não!
Tô chateada!
Tô sem tesão!
Assim não dá!
Ai, amor!
Hum, insistente!
Tá bom!
Só um beijinho!
...
(Beijo)
...
Não...
Ah amor... Para!
...
(Mais beijo)
...
Huuuuum! Não amor!
Assim eu amoleço!
...
(Beijo com lingua e molhado)
...
Nossa!
Ui! Calorão!
...
(Beijo, lingua, mão no meio das pernas!)
...
Eu não resisto!
Vem!
Tô com tesão!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

De boca cheia!

por H. Thiesen 

Dispo-me num instante de toda a roupa
Desfaço-me de todos os meus pudores
Não os tenho, nunca os tive
Quero teus carinhos e ser tua amada
Quero que deixes que eu te domine
Quero cercar, reter, te amar
Deixo-me livre sem nenhuma vergonha
Solto a loba que existe em mim
Liberto a fera que habita o meu corpo
Te jogo na cama e me atiro em cima de ti
Te prendo e amarro na cama, te faço refém
Nada podes fazer, apenas sinta o prazer
De um jeito que só eu posso oferecer
Te vendo os olhos, não quero que vejas
Quero que apenas sintas a minha destreza
Para começar, eu beijo a tua boca
Lambo o teu pescoço, mordo os ombros
Beijo teu peito, sugo os teus mamilos
Desço por tua barriga, cerco o umbigo
Tomo o caminho das tuas virilhas
Lambo e beijo, deixo a minha saliva
Ah, meu querido! Hoje é tudo comigo
Entro no meio das tuas pernas
Sinto o cheiro dos teus testículos
Cheiro inconfundível, me faz incendiar
Lambo o escroto e sugo os ovos
Ponho-os dentro da boca
Primeiro um e depois o outro
Não esqueço de contorná-los com a língua
Tua vara dura eu seguro nas mãos
No corpo do pênis eu corro a boca
Quero a pele macia e quente da glande
Minha língua envolve-a e faz círculos
Saboreio o gosto de macho que brota
Que sai do orifício em pequenas gotas
Abocanho e encho a minha boca
Percorro a extensão até sentir na garganta
Este mastro potente me deixa louca
Quero extrair o sumo que ele pode me dar
Para lamber, me deliciar e me lambuzar
Acelero, eu tenho pressa de te beber
Eu sei que você gosta e quer acabar
Nos teus gemidos, eu me inspiro para te dar prazer
Faço mais, de prazer quero que você morra
Finalmente chega a hora para você gozar
Vem meu amado, te retorce, grita e urra
Te esvazia e enche a minha boca de porra!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Encontro Marcado

por H. Thiesen 

Excita-me pensar em nós, incendeio e meu corpo arde.
Molho cada vez que lembro do fogo que nos move na cama.
É como se labaredas me queimassem por dentro e fico em brasa entre as pernas! 
O tesão é imenso e cruel!
Então... Solitária acalmo a freima!
Toco-me para apagar o meu fogo e não me furto ao prazer.
Sozinha encontro-me com o orgasmo!
É um encontro marcado...
Todas as noites e sempre que não estás ao meu lado!



--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Delícia Virtual

por H. Thiesen 

Na frente da minha webcam,
te vejo totalmente pelado
quero somente prazer
sexo virtual, bem melado

Pra te deixar excitado
Mostro a minha boceta
num delicioso close up
Te vejo socar punheta

Vou digitando ao teclado
uma coisa obscena e safada
Pergunto se está gostando
de ver minha xana melada

Faço uma tomada geral
Para você ver meu corpo
Os seios, as pernas e a bunda
e você mostra o pau torto

O pau é torto pra esquerda
Mas é bem grosso e vermelho
Eu queria na minha boca
Ou tê-lo entre os seios

Toco uma siririca rápida
E fico bem lambuzada
Imaginando o que leio
Na tua frase safada

Você diz que sou linda
E lindo é meu corpo nu
Que queria estar comigo
E comer o meu cu

Me ajeito e viro a cam
Bem perto da minha bunda
Digito no meu teclado:
Mete a língua e afunda!

Teu pau começa a melar
Fica cheio de sangue
Se estivesse comigo
Engoliria tua glande

Minha boceta encharcada
Toda lisinha e sem pelo
O tesão é torturante
E castigo o meu grelo

Na cam te mostro meus seios
E os acaricio com a língua
Sei que você gosta disso
Quase te mato à míngua

Você fica todo tesudo
E acelera a punheta
Do lado de cá me excito
Meto os dedos na boceta

Ouço os teus gemidos
Sei que já vem o gozo
Apresso a siririca
Quero gozar bem gostoso

Vejo teu pau retesar
Os jatos melam o teclado
Eu gozo intensamente
e provo meu dedo melado

O meu telefone toca
Atendo achando um transtorno
Disfarço e não me aborreço
É o meu namorado corno!

Enquanto falo no fone
Digito algo gostoso
Quero repetir outra vez
Quero sexo, tesão e gozo!

Bye! Até a próxima!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Dar o cuzinho é bom!

por H. Thiesen 

O cuzinho é a área VIP do corpo, que nem todos conhecem, mas para entrar... É preciso fazer por merecer! O cuzinho não pode vulgarizado, ele tem que ser um cantinho especial, como um lugarzinho exclusivo, como se estivesse sinalizado com uma placa de aviso:
ÁREA RESTRITA, SOMENTE PARA PESSOAS AUTORIZADAS!
A sensação do pau entrando na bunda, é quase indescritível, principalmente se bem excitada e a perseguida estiver escorrendo, ao ponto da lubrificação lambuzar tudo em volta e facilitar a entrada.
Nessa hora, eu fico imaginando o que ele sente, deve ser delicioso, porque o cuzinho, que é cuzinho, é bem apertado.
Conheço muita gente que tem medo de dar o cu e desiste logo no início, por causa daquela dorzinha. Realmente na primeira vez dói um pouco mais, mas nas próximas vezes, é somente uma dorzinha inicial, digamos uma dor de adaptação aos diâmetros, que se mistura ao prazer e que dá mais vontade de dar.
Aquela dorzinha inicial me deixa louca, por que eu sei que vou querer mais. Depois que a cabeça entra e o cuzinho acostuma, é somente prazer. Um prazer alucinado do pau saindo e entrando, laceando, roçando e preenchendo o vazio das carnes interiores.
Dar o cu é bom! De quatro é sensacional, possibilita um melhor rebolado e a siririca com o dedinho nervoso no grelo. Frango assado é delicioso, aquela coisa de olho no olho, de sincronia de pensamentos e movimentos e o pau bem no fundo. Deitada de barriga para baixo é ótimo, empinando a bundinha, o travesseiro no ventre, o peso do corpo dele e a sensação do pau e os testículos nas nádegas. Cavalgando é maravilhoso, porque fica tudo sob controle: o ritmo, a velocidade, a profundidade, procurar a melhor posição e mexer à vontade.  Porém, nenhum desses jeito é melhor do que dar o cu de ladinho, o bafo quente na nuca, a mordida na orelha, sussurros e gemidos no ouvido, a mão máscula passeando no corpo, os dedos acariciando os seios e bolinando o grelo, o suor e o calor do macho roçando nas costas, tudo isso somado às mãos livres, para fazerem o que quiserem: masturbar, agarrar, arranhar, ajudar, etc, etc, etc .
Quem ainda não experimentou, não sabe o que está perdendo e não sabe o quanto é bom!
Dar o cu, é como uma droga potente, vicia desde a primeira vez e não se abre mão das próximas vezes.
Dar o cu é bom, depois que a cabeça entra, é só relaxar e gozar!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Nádegas à declarar!

por H. Thiesen 

Dias atrás, eu e algumas amigas estávamos batendo um papo, num happy hour, em um barzinho legal, quando uma delas, olhando para a vidraça do bar, chamou a atenção de todas as outras, falando de um bunda que passava:
- Puta que pariu... Olha o tamanho da bunda daquela lá!
Não é necessário dizer que todas olharam na mesma direção e não faltou as observações:
- É mole e caída!
- Tá aparecendo a celulite na legging vermelha!
Mas não faltou quem olhou para mim, quietinha no meu canto e perguntasse:
- E tu, não diz nada?
- Nádegas à declarar! - Respondi, recolhida ao meu bundão e pensando como que elas falam da minha celulite!
Na verdade eu detesto o termo nádegas, prefiro bunda, soa melhor com o espírito brasileiro, uma vez que vivemos no país da "preferência nacional". 
Falando de bunda, há uma coisa que intriga, a comparação com a cara das pessoas nos momentos desagradáveis. Se alguém faz cara feia, de quem comeu e não gostou, dizem que está com "cara de bunda”. É uma comparação um tanto desapropriada, pois existem bundas bem mais bonitas do que muitas caras por aí!  Como assim? Cara de bunda? Será que cara de bunda é igual a que as minhas amigas fizeram, depois que dei a resposta?
Pensei sobre isso e resolvi analisar educativamente algumas bundas por aí. Não conformo com a comparação de cara feia com bunda, porque há bundas e bundas. E foi pelo meu inconformismo que decidi por à prova esse insulto à coitada, tão admirada e perseguida, muito e até mais que outra partezinha escondida do corpo feminino! Diante disto, comecei a observar mais analiticamente, ou seja, olhando  mesmo, o que me causou muitas caras de reprovação (seriam caras de bundas?), mesmo assim, não me desconcentrei dos meus objetivos.
Entre muitíssimas observações, descobri que existem um número incontável de tipos de bundas, quem sabe, mais de sete bilhões e quinhentos mil, pois é essa a quantidade aproximada da população mundial e, como uma impressão digital, uma bunda não é igual à outra! Ponto para a bunda, no meio de tantas, seria difícil descobrir qual delas serviu de modelo para a comparação!
Mas, voltando aos meus estudos, concluí que existem categorias: Bundaço, bundão,  bunda, bundinha e a minúscula (faltou-me um termo)! O bundaço causa enormes transtornos, é difícil encontrar um assento adequado, sempre invade o espaço alheio e a roleta do ônibus é uma grande inimiga. O bundão não causa tantos constrangimento, mas é alvo dos olhares maliciosos e de comentários. A bunda passa quase despercebida, pode-se chamá-la de normal e é o tipo mais presente por aí. A bundinha é delicada, pequena, mas não deixa de  ser interessante. A minúscula passa totalmente despercebida, não é alvo de comentários, porque todo mundo olha mas não a vê. Claro, existem exceções, algumas mulheres notam as minúsculas e fazem piadinhas, mulher é foda, não deixa passar nada, principalmente se estiver despeitada e se a desbundada é uma rival de olho no "comedor"!
Dentro das categorias acima há subcategorias e podem ser: empinada, que é deslumbrante e pode brindar aos bundões, bundas e bundinhas, mas dificilmente os bundaços, por que o peso não deixa e nem as minúscula, que não possuem nada para empinar. Notei também que existem as achatadas, que quase sempre são bunda, bundinhas ou minúsculas, isso por que se olhadas de perfil não aparece protuberância nenhuma, algo impossível para bundaços e bundõe! A dura, geralmente a das atletas é maioria das vezes bunda ou bundinha, dificilmente é bundão e bundaço nem se fala. Bem, nesse item a minuscula leva vantagem, já é dura por natureza! A mole é mais democrática de todas, brinda todas as categorias, com salvas aos bundaços e bundões! A bunda larga só não pode estar presente na minúscula e se torna um desastre quando é um bundaço, devido às dificuldades de acesso à banheiros públicos (geralmente apertados), principalmente, de ônibus e de aviões, roletas, bloqueios e portas giratórias. 
Porém entre tantas categorias e subcategorias, descobri que existe a falsa bunda, aquela que se coloca enchimento para deixá-la maior, entretanto, na hora "H" é decepção total. E, atualmente tem a siliconada, produzida no tamanho e formato desejado pela desbundada, difícil de ser detectada a olho nu, só se for apalpada mesmo.
Creio serem estes os principais tipos e subtipos de bundas, mas se nos demorarmos mais, encontraremos as peladas e as peludas, redondas e quadradas, circulares ou pontudas e por aí vai, não esquecendo da caída, porque a gravidade não perdoa e até a minúscula cai e pendura as chuteiras, digo, as pelancas! Vou falar  apenas em mais dois tipos, a furadinha e a lisinha. A furadinha é parecida com casca de laranja, tem celulite, é a mais comum, causam terror nas mulheres que as possuem  e nem tanto nos homens que as vêem (se der eles comem de olhos abertos ou fechados), mas não há como escapar e a aceitação é implícita. Para falar a verdade não existe bunda sem nenhuma celulite, pelo menos, eu nunca vi! A lisinha é o sonho de todos, é como ganhar na loteria, a gente sabe que o prêmio existe, mas é difícil de ganhar. É como agulha no palheiro, difícil de encontrar! 
De qualquer forma, todo mundo tem bunda, seja ela como for, não importa, o que conta é que cada cuide da sua bunda, pois ela é inseparável. 
Bunda existe para ser olhada, comentadas, admiradas ou criticada, pois cada qual tem sua preferência. Importante é que a bunda desempenhe a suas função para a qual foi criada. Não, não é aquilo que você está pensando, a função da bunda é sentar!
Fui, e não me façam cara de bunda!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Banheiro: O Quartel General Feminino

por H. Thiesen 

Existe um local muito especial para todas as mulheres, onde as idéias são realinhadas e os planos concebidos: O Banheiro Feminino!
Se tem uma coisa que é de praxe, é mulher ir ao banheiro sempre acompanhada de outra, quando está na balada, festas, bares, etc. Vale até convidar a nova namorada do irmão,  que acabamos de conhecer a dez minutos atrás, afim de estreitar relações.
Afinal, banheiro feminino é mais convidativo às
confissões, do que o próprio consultório de psicanálise e o confessionário da igreja mais próxima.
É lá que a mulherada solta o verbo e comenta o que achou da roupa da rival, da maquiagem da amiga que não as acompanhou ao banheiro, do namorado da moça ao lado que não para de olhar pra ela, etc. Fora as que aproveitam para se queixar da vida, do marido ou namorado, da cunhada e da sogra, do chefe, dos filhos, etc.
O banheiro feminino também tem uma grande parcela de responsabilidade na proliferação de doenças de pele, oculares e bucais. Afinal, o passa-passa de pó, lápis, rímel e batom de desconhecida para desconhecida é imenso. Cuide dos seus olhos, boca e pele. Herpes, conjuntivite e bactérias não estão por ai, anunciando a sua presença.
Banheiro feminino, é um território onde a maioria das mulheres se sente como se nunca pudessem ser atingidas ou descobertas. O que rola lá dentro, não sai pela porta, é segredo de estado.
Ao meu ver, a siglas WC dos banheiros femininos deveria ser mudada para QGF, já que lá é um ambiente onde as mulheres forjam e estruturam estratégias de ataque e abate aos 'inimigos', onde arquitetam as tramas da caça, onde alinham ideias sobre a ocupação territorial e onde até se aliam a desconhecidas em prol de seus planos sutís, engenhosos e até maquiavélicos, para atingir os seus objetivos!
Portanto, mais do que um simples ambiente de mera descarga fisiológica, é um ambiente de recarga e munição!
Uma lista de atividades de banheiro:
- retocar a maquiagem e é um lugar onde existe ajuda disponível para isso,
- fofocar, isso não se faz no estabelecimento, o lugar precisa ser reservado,
- falar do namorado,
- trocar experiencias,
- ouvir opiniões,
- deixar eles esperando (adoramos fazer isso!)
- namorar longe dos olhos alheios (é tem mulher que faz isso, com outra!)
- flertar com uma gata linda que ela viu entrar no banheiro (Não sabia? A tua namorada pode ser bi!),
- transar com outra gata (Também não sabia? Bi e lésbicas frequentam o mesmo banheiro),
- ajudar outra a fazer xixizinho,
- deixar eles esperando (adoramos fazer isso!)
Aconteça o que acontecer dentro do banheiro, qualquer mulher sai de lá impecável e isso requer tempo, por isso, vamos ao banheiro em dupla, trios ou quartetos, para que uma ajude a outra e evitar que aconteçam acidentes.
O banheiro, por mais feminino que seja, pode ser sujo. Fazer necessidades necessita de cuidados, segurar o vestido, para que ele não caia numa poça de água ou dentro do vaso sanitário e sempre estamos dispostas a ajudar uma as outras.
Afinal, não podemos sair de lá, com a barra da saia pingando água!
Acho que falei tudo o que acontece em um banheiro feminino. Ah, claro! Falta contar sobre o que nós falamos? Mas... Isso é segredo de estado, é coisa de meninas!


--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Sobre a foda de ontem!

por H. Thiesen

Ao sentir o latejar do pau duro e quente, o calor nas minhas coxas me convidou para foder.
Tu querias a minha buceta e ela também te queria. Pensava ela ser exclusiva, o único objeto do teu desejo. Tola e boba ela é e conformou-se em dividir o falo ereto com o vizinho anelado e que também atende por cu! Onde, pela tua fraqueza e gosto pelo buraco apertado, quase deixastes esvaziar.
Mas, a espera foi recompensada por uma foda muito prazerosa, quando a tua pica majestosa, estocando bem forte a minha buceta fudeu.
E agora, aqui me encontro, com a minha bunda ardida e com a buceta fodida pelos teus golpes compulsivos.
Foi sim, foi como um grande prêmio, a quela trepada de ontem à noite, que me levou ao gozo e me cobriu com o teu regalo, quando jorraste sobre o meu ventre a tua porra viscosa e quente e como um grand finale, enterraste-me o pau na boca e me deu para sugar até a última gota!


--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Carícias Ousadas

por H. Thiesen 

Uma carícia sobre os meus ombros, e um arrepio sinto com o teu toque.
Uma crescente tensão e a escalada de dois corações a bater, desencadeando sentimentos e paixões reprimidas. 
Dedos na nuca, flui muitos carinhos nos meus cabelos. Meu sorriso é limitado entre as tuas mãos e elas me levam a tua boca, para um beijo.
No beijo ardente, lentamente,eu tiro a tua camisa e me devolves o favor, sem afastar a tua boca da minha. 
Nossas línguas famintas concedem o gosto ao desejo, divididas entre serem persistentes ou saborear, até cederem à luxúria e a pressa.
Saboreamos no beijo todas as vontades latentes e nossas mãos tomam os seus itinerários ardentes.
Teus dedos encontram-me ansiosa e sabem que por eles anseio, gentis mas ardentes, me fazem estremecer e gemer. Exploram-me docemente e libertam os meus anseios, traçando uma cadeia de êxtase, quando encontram os meus seios eriçados, a minha espinha suada, as minhas coxas ardentes e o meu sexo molhado.
E, meus dedos cravam as unhas em tuas costas, apertam teu peito, a cintura e as nádegas, deslizam e surfam a tua pele e se enchem de luxúria em teu sexo.
Ainda, nosso beijo não para, os espasmos aumentam e o ar nos falta.
Eu gemo, mal respiro, te envolvo em meus braços e te trago para cima de mim. Na minhas coxas, eu te sinto pulsante, quente e latejante. Abro as minhas porta para que entres em mim. Tu invades o meu charco e eu grito... Solto de uma vez todo o meu tesão e no teu vai-e-vem eu deliro. Tu queres mais e nos vira num impulso, me deixa deitada sobre o teu corpo. Eu me ergo e cavalgo, num instante sou uma amazona, domando o teu tesão. Com uma mão na cama, a outra em tua nuca, te puxo pra mim, quero tua boca e a tua língua em meu seios, quero tuas chupadas, lambidas e mordidas.
Encharcada de suor e ofegante, eu não desmereço a subida e aproveito a descida. É um terremoto em meu corpo, convulsiono, sou tomada por arroubos e enlevos.
Minhas mãos em teu peito te prendem a cama. Te tiro de mim, deslizo em teu ventre, no teu peito deixo a prova do meu desejo, o rastro derramado da minha vagina molhada e quente. Na tua boca eu te ofereço o meu gozo. Na tua língua atrevida, eu grito, me desmancho, deságuo de prazer e então, gozo!
Perco as forças e me jogo sobre o teu corpo, tremendo, suada e cansada. Respiro, retomo a posse de mim, te deixei na espera e eu quero o teu fim.
Rastreio em teu corpo com a boca, provo o sal da tua pele, no peito, na barriga e no sexo. Eu lambo, eu sugo, eu chupo, te deixo ir fundo. Te seguro entre as mãos, ocupo minha língua com a cabeça, circulo e mordo. Alterno entre raso e fundo, não paro, insisto.
Te sinto potente, latejas e gemes, derramas em jatos. Tu me lambuza e me molha e eu te bebo!
Recebo então, a teu ultimo carinho... O sorriso!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Anna, uma amiga muito especial!

por H. Thiesen

- Alô!
- Oi Anna, como vai?
- Lena, tenho uma surpresa para você!
- Surpresa? Adoro surpresas!
- Estou no aeroporto...
- Vai viajar, que legal, para onde?
- Londres!
- Para cá? Por que não me avisou antes?
- Eu disse que era uma surpresa!
- É claro, qual a hora do vôo?
- Daqui a pouco, estou na frente da escada do avião!
- Jesus, você resolveu fazer uma surpresa mesmo!
- Ehehehehe!!!
- Vamos ver, são 23:05h no Brasil, onze horas de voo mais ou menos, mais quatro horas de fuso,  você vai chegar em Londres, aproximadamente às 15h! Ufaaa, tenho tempo!
- Tempo para que Lena?
- Para preparar tudo, você vem para a minha casa, não é? Aqui está uma bagunça!
- Claro, vou sim! Não se preocupe com isso, eu não reparo!
Eu conhecia Anna a muito tempo, ultimamente nossa amizade estava limitada pela internet e poucos telefonemas. Sempre falávamos que ela poderia me visitar, mas nunca chegamos a pensar concretamente sobre isso. Uma visita de Anna havia se tornado um sonho e finalmente ele seria realizado.
Levantei cedo, eu queria preparar tudo para a chegada de Anna, deixei Angela ainda dormindo, vesti uma roupa básica, tomei um café e desci até a garagem, peguei o carro e fui a um supermercado. Compras rápidas, alguns gêneros que estavam faltando. Fui ao caixa, paguei e rumei novamente para casa.
- Cacete, estou atrasada, já é duas e quinze da tarde!
Sai correndo para o aeroporto...
- Epa! Qual aeroporto? Esqueci de perguntar!
O sinal ficou vermelho, parei e pensei:
- Voo do Brasil, só pode ir para o Heathrow Airport! Vou arriscar, se não, dou um jeito!
Olhei no relógio de pulso, dezesseis horas e quatro minutos, um TAM pousou, deve ser esse.
Ela estava linda, os cabelos com nuance vermelhos escuros, olhos castanhos escuros emoldurados pela maquilagem, um vestidinho básico preto e um casaquinho na mesma cor, meias de nylon pretas, caminhando sobre um sapato de salto da mesma cor. Tudo simples, mas que a deixava encantadora.
Depois dos beijos e abraços, demonstrações mútuas de carinho e amizade, rumamos para a minha casa.
Estacionei na garagem, pegamos as malas e subimos pelo elevador e entramos no meu apartamento.
- Anna, esse é o meu cantinho! Sinta-se a vontade, enquanto estiveres por aqui, é teu!
- Puxa, eu sempre imaginei como seria, mas estou encantada!
- Eu me esforço amiga! Mas vamos ao quarto, nos livrar dessas malas!
Eu havia decorado o quarto de hóspedes ao meu gosto, na verdade, é uma suíte, um pouco menor do que a minha, lençóis e fronhas em tons brancos e rosa, cortinas carne, no pequeno banheiro, todas as peças eram rosas também, toalhas, tapetes e acessórios.
- Bem, é aqui que você vai passar a semana. Se quiser relaxar e descansar da viajem, tomar um banho... Eu estarei por aí, mais tarde a Amorinha chega e ela está ansiosa para conhecê-la!
- Ah, vou ao banho, preciso relaxar e trocar de roupa para ficar mais a vontade.
Saí do quarto e deixei-a a vontade, eu tinha algumas coisas para fazer, passei o dia atrapalhada e queria ser uma anfitriã a contento. Tenho mania de perfeccionismo.
Eram mais ou menos dezoito horas, Anna não havia saído do quarto, pensei comigo:
- Está cansada e dormiu, não vou incomodá-la!
Sentei numa das poltronas da sala e liguei a televisão, naveguei com o controle remoto e não achei nada interessante, decidi-me por um musical. Arrumei um posição confortável e acebei dormindo. Não sei por quanto tempo, quando acordei, Anna estava sentada na outra poltrona. Ela não notou que eu havia acordado e permaneci algum tempo olhando para ela, admirando a garota linda, uma moreninha pequena, mas com uma beleza envolvente.
- Oi, descansou um pouco?
- Sim, tomei um banho, deitei na cama e dormi, estou bem melhor!
Eu já estava excitada, durante o tempo que fiquei a olhando, imaginei o seu corpo nu, por trás daquela camiseta branca e das calça leg que ela vestia.
Durante as conversas que tínhamos por telefone e pela internet, muitas vezes falamos sobre sexo e o desejo que sentíamos uma pela outra e eu não via a hora de realizar essas fantasias, chegara finalmente o momento.
Levantei-me da poltrona e me aproximei dela, estendi-lhe a mão e ela a segurou, eu sabia, ela me entenderia sem que eu precisasse falar. Apertei-lhe as mãos entre a minha e sentei-me no braço da poltrona. Logo, estávamos envolvidas em nosso primeiro beijo.
Acariciei o seu rosto enquanto nos beijávamos, senti as suas mãos segurarem minhas pernas e deixei as minhas alcançar os seus seios pequenos e firmes, livres de um sutiã.
- Vem comigo! Disse-lhe puxando-a pela mão.
Fomos para o meu quarto e deitamos na minha cama. Nos beijamos, nos acariciamos e aos poucos despimos uma a outra. Um jogo de bocas, línguas, peles e corpos. Fizemos amor por um longo tempo, provamos cada um dos nossos segredos, brindamos mutuamente os nossos gostos, cheiros, suores e calores. Estávamos muito envolvidas e não percebemos. Angela, a minha Amora havia chegado, entrou no quarto e de mansinho juntou a nós. Anna surpreendida assustou-se, beijei-a novamente e acalmei-a. Enquanto eu a beijava, Angela se encarregou de devorar seu corpo, beijando e provando-a por inteiro. Mais calam e já acostumada com a nova situação, Anna se entregou novamente e fizemos amor até ficarmos extasiadas e gozarmos deliciosamente.
- Acho que não é mais necessário maiores apresentações? Vocês duas já se conhecem muito bem! Angela, Anna e Anna, Angela...
Nós três caímos numa deliciosa gargalhada, logo interrompida por Anna:
- Nossa, vocês são doidas! Maravilhosas!
E Angela respondeu, no seu portuñol pomposo:
- Es sólo el inicio, hoy es terça, até domingo, tienes mucho a ver!
Durante o restante da semana, durante o dia, nós três passeamos por Londres, visitamos pontos turísticos e aproveitamos a culinária. À noite estivemos em alguns púbis, quando voltávamos para casa, terminávamos a noite, invariavelmente à trois, à la Lesbian Chic, quando nossas imaginações, davam lugar a realizações de inúmeras fantasias, com direito as muitas loucuras de três mulheres fogosas, entre velas, vendas, algemas, doces, frutas, leite condensado, chantilly e ousadias.
Anna veio a Londres pela nossa amizade, mas queria conhecer a cidade, a noite londrina e principalmente o lado sensual da cidade. Eu havia reservado uma surpresa para ela, faríamos uma visita a um lugar secreto ou pelo menos um dos mais sexies da cidade e finalmente o fim-de-semana havia chegado.
O Killing Kittens (pode-se traduzir por Matando Gatinhos), é um lugar especial voltado ao sexo e prazer feminino. É um clube de sexo, onde o controle é exercido pelas mulheres. Os frequentadores masculinos devem ser corajosos o suficiente para se entregar e deixar de lado o impulso dominador do macho, pois não podem tomar a iniciativa e nem abordar as mulheres, somente elas podem escolher e decidir o que vai acontecer e podem dar as cartas, fazer as regras ou as quebrarem, e com uma vantagem, todos os frequentadores são cadastrados, pois para participar devem ser sócios do clube ou convidado por um deles. Um lugar perfeito para colocar em prática as fantasias sexuais mais sórdidas de Anna.
Era sexta-feira, chegamos no clube logo depois da maia-noite, entramos e sentamos à mesa que eu havia reservados, os shows já haviam começado. Na frente do palco, algumas mulheres gritavam, assistindo um striper masculino. A pouca iluminação dava um toque extremamente sensual ao ambiente, variando a tonalidade de luzes vermelhas, azuis, amarela e negras. Alguns minutos depois, no palco central inicio um show de sexo explícito. Uma mulher vestida com um catsuit em látex vermelho sangue, com aberturas livrando os seios, o púbis e as nádegas, segurava um chicote, dominava um homem e fazia sexo com ele, segundo as suas vontades. Pedi cerveja, bebemos um pouco para relaxar. Expliquei para Anna como era realmente o lugar e apontei-lhe um homem, o qual eu conhecia e com certeza, seria perfeito para a noite que eu havia planejado, disse-lhe que fosse ao seu encontro e o trouxesse para junto de nós.
Uma das fantasias de Anna era fazer sexo com outras pessoas olhando, me aproximei dela e a beijei, depois falei em seu ouvido para que excitasse Patrick e que não sentisse vergonha, poderia fazer o que quisesse, ninguém a aborreceria, apenas observariam. Ela se aproximou dele, abriu suas calça e retirou seu membro para fora, masturbou-o durante algum tempo e somente depois teve coragem para fazer-lhe um sexo oral. Eles estavam em um sofá, entre eu e Angela, numa posição estratégica, para não serem incomodados por mãos indiscretas. Nós duas cooperamos para quebrar um pouco o gelo e demo-lhes algumas de nossas carícias. Ajudei Anna a livrar-se da calça e sentar-se sobre Patrick. Ela levantou a blusa e ofereceu seus seios a ele. Patrick segurava suas nádegas, ajudando-a a sustentar-se. Angela de joelhos no sofá a beijava e afagava suas costas. Permaneceram assim por longos minutos e ela gozou deliciosamente sobre eles, enquanto éramos observadas por diversas pessoas.
Anna recompôs suas roupas, convide-os para procurarmos uma suite e realizar outra fantasia daquela menina.
Entramos os quatro na pequena suite privada, Anna fantasiava fazer sexo e ser dominada por pessoas mais experientes que ela. Patrick tinha quarenta e poucos anos, eu trinta e cinco, Anna e Angela são mais ou menos da mesma idade, vinte e poucos anos.
Empurrei Patrick e joguei-o na cama, disse-lhe para esperar. Segurei Anna pela cintura e a beijei, enquanto despia suas roupas. Angela juntou-se a nós e abraçou-a pelas costas. Passamos a nos excitar mutuamente e trocamos deliciosos beijos. Nossos corpos nus, roçaram por longos minutos. Nossos seios se acariciavam e nossas mãos não conheceram limites.
A cama King Size facilitou a presença de quatro pessoas. Sobre ela nós três dávamos prazer uma as outras e Patrick sabia que somente poderia participar se fosse chamado. Fiquei muito excitada por saber que ele nos observava e logo tive um orgasmo, deixei-as e me aproximei de Patrick. Beijei e o masturbei.
Segurei os cabelos de Anna e puxei-a para perto de nós. Deitei ao lado dele e disse-lhe que se encarrega-se dela. Ele deitou-se sobre Anna, a beijou e passou a explorar o seu corpo com a boca. Ela segurava a minha mãos e a apertava, era o sinal do prazer que ela sentia. Angela apenas olhava e se masturbava ao meu lado. Assumi a posição de dominadora mais uma vez, puxei Patrick pelos cabelos, trouxe-o a minha frente e ordenei-lhe:
- Agora ela é tua, faça-a gozar como nunca!
Deixei-os e fui para perto de Angela, nós duas fizemos amor, ouvindo os gemidos e gritos de Anna quando gozou freneticamente.
Já era madrugada, logo o sol iria despontar, fomos para casa, ainda viria o sábado e outras surpresas estavam reservadas para Anna. Mas, isso é uma outra história, que deve ser contada à parte!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Quero sentir você!

por H. Thiesen 

Quero modular tuas curvas
com as minhas mãos atrevidas,
Quero sorver tuas gotas de suor
com a minha boca sedenta,
Quero colher o teu mel
com a ponta de minha língua,
Quero os teus gritos e gemidos
acariciando meus ouvidos,
Quero toda a tua loucura
saciando o meu prazer,
De você eu quero tudo
muito mais do que eu possa ter,
Quero sentir o meu gozo
e com ele te envolver,
Quero sentir o teu gozo
de dentro de mim escorrer!
Quero sentir você!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Sodomia

por H. Thiesen 

E eis que me colocas de quatro sobre a cama.
Entras fundo e te atolas por trás, me segurando pelas ancas.
Viril, voraz e persistente, entras ao meio das minhas  nádegas desprevenidas e sensíveis.
Recebo nas minhas carnes ansiosas e famintas, a vara dura e erguida.
Te aninho, com total lubricidade, no meu orifício apertado e me entrego as tuas sevícias:
- É teu!
Me fustigas, me atiças e me atormento com as tuas investidas.
Quase enlouqueço!
Sinto minhas carnes se dilacerarem e ao mesmo tempo, sinto prazer por ter as entranhas preenchidas.
Entre os suspiros e gemidos lascivos, vocifero um grito, lamuriando a tua falta de cuidado, numa arremetida ansiosa e mais ousada.
Tuas mãos em minha cintura, puxam-me com força de encontro ao teu corpo e eis que, todo dentro de mim, encontras o meu âmago mais profundo.
Te vens à mim, sem controle e exaltado pelo teu tesão, completas a sodomia.
Insistes, vara-me pelas entranhas e sinto a tua virilidade pulsar.
És quente e latejante.
Eu gosto e me delicio!
Tu insistes e teimosamente, resistes ao orgasmo!
É preciso mais um pouco, para que como eu, fiques tão louco!
Ouço o teu urro!
Sinto-te enrijecer!
Sei que chegou a hora e jorraste tua seiva quente em minhas vísceras.
Não te deixo sair, agora és meu, até meus dedos me levarem ao gozo.
Dedilho meu prazer e vou-me ao deleite de um orgasmo.
Deito-me na cama e deixo-te escapar.
Meu orifício arde, parece estar em chamas.
Mas mesmo assim, me sinto satisfeita, pois te dei, o que querias, com todo o prazer!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Última Foda!

por H. Thiesen

A noite era de um calor abafado. O suor escorria-lhe pelo corpo, ela estava nua e ainda entorpecida pelos efeitos do orgasmo. As pernas frouxas mal lhe sustentavam e pelas suas coxas, ainda escorria o último gozo. Mesmo assim, ela insistia em olhar para a janela entre-aberta, fingia indiferença e disfarçava o nó na garganta. Pelo menos daquela vez, ele fora carinhoso.
Deitado na cama, olhando para ela, ele adiava uma pergunta, mas sabia que chegara o fim e já deveriam te-lo dado ao relacionamento. Ele não entendia e nem queria entender, mas todo aquele clima de despedida, causava-lhe um desconforto e a sensação de derrota excitava-o imensamente. Vê-la naquela situação deixava-o louco e com vontade de possuí-la pela última vez. Sádico, queria dela a última foda!
Levantou-se com o pau já latejando, caminhou com o membro balançando e apontado à frente. Aproximou-se dela, segurou-a pelo queixo e olhou-a nos olhos. Ela sorriu e mostrando a tristeza lhe disse:
- Não!
Ele a esbofeteou, agarrou sua nuca e como quem descarrega a raiva num inimigo, virou-a de costas e esfregou seu rosto no vidro da janela. Ela não resistiu, foram tantas vezes assim, mas seria a última vez que ele a humilhava.
Apertando seu rosto ao vidro, ele segurou-a por baixo do ventre e arrebitou-lhe as ancas, abrindo caminho com os pés afastou suas pernas. Sem resistência nenhuma ele a invadiu!
O sufocamento da noite abafadiça, fazia-lhe escorrer de suor e parecia aumentar o prazer de possuí-la. Agarrado a ela, ele a devorava. Segurava seus seios e mordia seus ombro. Seu corpo colava ao suor dela e ele imprimia-lhe potentes estucadas. Ele urrava e ela gemia. Ele a xingava e ela engolia o choro! Ele entrava e saia, ela nada sentia. Finalmente, num berro, qual fera possuindo a sua fêmea submissa, ele gozou! Quase sem força, devido ao orgasmo intenso, ele desabou ao chão, sentou escorado à parede com a cabeça entre os joelhos.
Ela caminhou na direção da cama, juntou uma ponta do lençol branco e limpou-se. Colocou o vestido, calçou os sapatos e jogou a calcinha na bolsa. Respirou, tomou coragem e saiu sem despedir-se. A porta bateu às suas costas. Ela estava livre, dera um basta, seu sofrimento acabara! Estava livre, daquela noite em diante, buscaria por alguém que realmente lhe amasse!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Água, tesão e gozo!

por H. Thiesen

A água cristalina escorre morna sobre nossos corpos, acaricia nossas peles e relaxa as nossas carnes, ainda cansadas de amar. A água cai e faz das suas gotículas um prolongamento das nossas carícias de alguns minutos atrás. Dilata os nossos poros e leva com ela a nossa transpiração. Teus cabelos encharcados, a tua face molhada, trazem-me uma vontade de novamente te beijar. Te beijo e sinto o gosto da água misturado ao teu suor. Isso tudo desperta-me as vontades e desejo te banhar com a minha cobiça.
Entre nós duas, o sabonete, silenciosa testemunha do nosso banho e dos nossos desejos satisfeitos, mas mal sabe, que ele é um doce motivo, para me despertar novos anseios.
Tuas mão espalhando a espuma em meu corpo, acende em mim, uma vontade louca de te amar novamente e repetir no banho, tudo o que fizemos alguns instantes atrás, na nossa cama.
Sinto teus seios deslizando sobre os meus, recebendo a espuma que espalhastes. Teus mamilos endurecidos e arrepiados, roçando a minha pele, me provocam e me fazem desejar. É uma loucura deslizar assim pelo teu corpo, com a água derramando e a espuma branca escorrendo em tua pele.
Deliro de tesão e não resisto, beijo a tua boca, depois teus seios e te encho de desejos.
A espuma em nossos corpos nos ajuda nas carícias, deslizamos quase sem atritos, uma no corpo da outra.
Te beijo intensamente e tua mão invade o meio das minhas coxas, afasto-as um pouco e torno mais fácil para os teus dedos brincarem com a minha flor. Quero te dar prazer e repito em ti as mesmas carícias que fazes em mim.
Nos abandonamos ao banho, nos entregamos ao jogo, repleto de estratégias para nos levar ao gozo e jogamos com os beijos, línguas, dedos e flores.
Enquanto a água cai, molhando os nossos corpo, nos entregamos inteiramente uma a outra.
Encostada na parede fria e colada ao teu corpo, eu molho de tesão e lambuzo os teus dedos, simultaneamente, explora a tua flor e entre as tuas pétalas descubro o teu botão.
Entrego-me para ti, abro-me e cedo espaço para as tuas carícias. Teus dedos insistentes, roçam e invadem, levam-me a mais deliciosa tortura.
Não desisto de ti, brindo-a com carícias, sei como tu gostas e faço toda questão, de te dar o máximo de prazer.
Embebida de prazer, encharco a tua mão, com o mel que escorre do meu íntimo.
Te beijo intensamente e estremeço de tesão, te sinto enfraquecer, quase desfalecer e deixamos o nosso êxtase acontecer.
Deleitamos mutuamente, sob a água do banho, que levou com ela o nosso gozo!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Mel da Sedução

por H. Thiesen

De repente um calor no peito
Arde a fêmea entre desejos
Avassalada pelas fantasias
Ela retorce sobre a cama
Corpo languido em pose insinuante
Procura e não encontra o amante
Encontra vestígios
E apenas lembranças
Da noite anterior
Deixados pelo consorte
O cheiro dele lhe causa torpor
Ela mesma se toca
Com leveza em seus dedos
Arrepia e ouriça seus poros
Solução não havia
Frente à solidão
Para aliviar o imenso tesão
Instintos de fêmea
Excitada e carente
Desejos de mulher
Lasciva e ardente
A saudade do macho
A explorar-lhe o corpo
Torna-se um inferno escaldante
E a fagulha incendiária
No meio das pernas
Faz-se fogueira
Queimando o corpo dela
Pedia o seu corpo
Dedos indecentes
E toques abrasantes
Nos seus recônditos
Tocou os seus seios
Afagando os mamilos
Apertando-os com os dedos
E uma dor gostosa
Correu-lhe na espinha
Fazendo-a mais desejosa
Molhada e suada
Entre as coxas
Levou sua mão
Para explorar seus segredos
E cedeu aos seus dedos
Toda a permissão
A fim de lhe dar a satisfação
Tocou-se e invadiu-se
Explorou-se e esfregou-se
Com sua voracidade
Até se fazerem presentes
Múltiplos orgasmos
E da sua saciedade
Jorrar o mel da sedução!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Amor de pica é o que...

por H. Thiesen 

Sedenta! É como eu me sinto, quando penso em sexo e naquele antigo amigo de cama, que um dia foi o personagem dos meus pensamentos e protagonista das minhas fantasias.  É dele que eu lembro, quando sozinha, me esqueço do resto e em recolhimento no meu quarto, me diverto no meio das minhas pernas. Lembro-me das várias vezes que fizemos sexo e que ele me penetrou das vezes com um tesão fantástico e extremamente enrijecido, mas também fantasio com cenas que nunca protagonizamos e que ficou somente na vontade. Por quê? Eu não sei, não deu tempo para fazer ou em meio à empolgação esqueci. Claro, ele era tão dedicado e safado, que realizava qualquer coisa que eu pedisse. Imaginem então o que nós dois aprontamos! Vontade é o que nunca faltou entre nós. Para falar a verdade, sempre que eu ficava tesuda e isso não é muito difícil de acontecer, eu o chamava e não lhe dava folga.
Entre todos os paus que eu conheci, o dele é o que mais me satisfez e tornou-se o meu favorito. Digamos, o pau da minha vida. Faz tempo que não o vejo, tampouco o pego na mão, mas o que ele me fez sentir, está aqui, vivo dentro de mim, como se o sentisse agora, entrando e saindo, rasgando a minha carne.
Bem, creio que depois que me rasguei de elogios à ele, vocês querem saber o por quê? Ele é grosso, não é muito comprido, uns vinte centímetros talvez, portanto não é algo descomunal e exagerado, mas conseguia dar a sensação de preenchimento exato, nem mais e nem menos do que isso, tamanho perfeito para mim. Dizem que tamanho não importa, eu discordo, pau pequeno demais, o cara tem que ser muito bom em outros quesitos e grande demais pode ficar a meia-boca, uma coisa nem mole e nem dura, alguns precisam segurar e apertar a base para fazer o serviço, fica sem graça, não natural, sinceramente: broxante! Não, de maneira nenhuma, não quero dizer que esse ou aquele tamanho é bom ou ruim, mas depende de muitos fatores e da adaptação.
Voltemos ao pau do meu amigo, além das proporções, ela lindo, repleto de veias, a cabeça rosada e cabe o melhor de tudo, retinho. Sim, retinho como uma lança.  O principal é que essa delícia exótica e rara, é acompanhada por um desempenho de fazer inveja a qualquer ator pornô e sabe que a regra mais importante: não finalizar antes que nós, mulheres, tenhamos gozado. 
O diferencial, é que o meu amigo permitia que quebrássemos regras e padrões e conseguia ficar com o pau duro mesmo depois de gozar. Meninas, imaginem: Ele gozava e eu podia continuar me divertindo, sem me preocupar com broxadas e esperar pela sua segunda gozada. Quando passávamos a noite juntos, muitas vezes o peguei dormindo de pau duro, era só cair de boca, desfrutar um boquete gostoso e ganhar leitinho na boca ou, pular para cima e cavalgar, sem nenhum esforço. 
As vezes, quando me masturbo, imagino ele no meu cuzinho e como era delicioso. Segundo ele mesmo, eu fui corajosa e uma das poucas que liberaram a área vip para ele. Cá entre nós, liberei por que eu adoro. Mas, vocês lembram, que eu disse logo acima, que quebrávamos regras e padrões? Portanto, não foi um presente, mas troca de experiências, pois ele também liberou a porta dos fundos para mim. Claro, custou um pouquinho para convencê-lo, mas matei a curiosidade de ver como um homem age quando está sendo possuído, de início foi um fio-terra, depois um brinquedinho. Experimentem, a sensação de poder é deliciosa.
É por tudo isso que eu não o esqueço e, confesso... Preciso dar o braço à torcer e concordar:
- Amor de pica, é o que fica!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.

Do outro lado da linha!

por H. Thiesen 

Era sexta-feira, mais ou menos vinte e três horas, uma daquelas noites que não achamos nada para fazer, que de repente, bateu aquela vontade de ficar em casa e aproveitar a noite (coisa rara) dormindo.
Um silêncio, cabeça no travesseiro, olhos enterrados em um livro (não, não era 50 Tons de Cinza), que as vezes caia sobre o peito durante os vários cochilos. Rompendo a quietude do quarto, o celular tocou:
- Alô!
- Oi Amora…tudo bem?
- Tudo, já estava com saudade e você?
- Tô bem! O que você tava fazendo?
- Acredite ou não, mas estava dormindo!
- Te acordei!
- Tudo bem!Sentiu saudade?
- Lógico, não posso ficar longe de você!
- Ah! Que lindo!
- Tá sozinha?
- Sim! Uma amiga disse que vinha, mas ligou desistindo!
- Uma amiga? Sei! Mal saio de perto e você já me traindo!
- Ah não! É uma amiga mesmo! É linda, mas não passa de uma boa amiga!
- Não disse?
- Disse o que?
- Já está achando ela linda!
- Mas ela é, você só pensa sacanagem!
- Eu te conheço!
- Tá, eu confesso, acho que se eu investir, ela topa!
- Viu! Eu estava certa! Também era tua amiga, lembra?
- Claro, mas é diferente!
- Diferente?
- Sim, você me encantou, ela não!
- Ah Lê! Me emocionei! Você é foda!
- Isso sim, sou mesmo!
- Foda gostosa, diga-se a verdade!
- Para com isso!
- Por que?
- Por que vou me excitar!
- Tá vestindo o que?
- Calcinha, sutiã e camisa, como sempre!
- Ah é? Deixe-me ver... Calcinha rosa e camisa branca?
- Não, hoje a calcinha é preta!
- Minúscula!
- Ahaha! Errou, de algodão, aquela maiorzinha!
- Humm, confortável?
- Ahã
- Humm… Eu queria ver!
- Agora? Vem logo!
- Como? Estou a quilômetros daí!
- Ah, é... Pena né!
- Só de lembrar fiquei melada!
- Lembrar do que?
- De você!
- Safada!
- Que delícia… gostosa… você se lembra da última? Lembra?
- Não lembro!
- Não dá pra esquecer, foi tão gostosa!
- Eu esqueço fácil! Tenho amnésia?
- Doida! Claro que lembra, tá se fazendo!
- E agora?
- E agora o que?
- Fiquei excitada!
- Já! Viu... eu tinha razão! Você lembra!
- Claro né, foi antes de ontem! Ahahahah!!!
- Melei, sou louca por você!
- Você é louca? Tem certeza?
- Sim, você é especial?
- Eu?
- Claro, adoro o teu cheiro, o teu gosto!
- Hum! Hu...
- Que foi!
- Nada! Tirei a camiseta!
- Como? O que você está fazendo?
- Me masturbando!
- Eu também, não aguentei te ouvir!
- Eu te queria agora?
- Não dá... pensa em mim!
- Me faz gozar!
- Quero te chupar!
- Vem, Amorinha!
- A linguinha em volta!
- Hummmmm! Faz gostoso!
- O dedo no grelinho!
- Ai! Siririca gostosa!
- To sentindo o teu gosto daqui!
- Vai amor, não para, me faz gozar!
- Delícia!
- Tá tocando uma também?
- Tô, tô sim!
- Devagarinho?
- De leve!
- Geme pra mim!
- Hum, hummmmm!
- Faz gostoso, imagina me chupando!
- Lambendo, colocando a língua lá dentro!
- Assim eu gozo!
- Goza pra mim, goza!
- Ai que delícia!
- Quero a tua boca!
- Te dou a boca e língua!
- Vai Amora, lá dentro, me faz gozar!
- Mexe esses dedinhos e pensa em mim!
- Que gostoso, fala que gosta!
- Adoro! Vai Lê, goza pra mim!
- Ui, tô quase!
- Amo te ouvir gozar!
- Vem, quero te ouvir também! Toca gostoso!
- To fazendo, to toda melada!
- Mexe Amora, mexe no grelinho!
- Assim, ui! Vou gozar!
- Aaaaah! To gozaaando!
- Assim, vem comigo! Aaaah!
- Agora, agora!
- Ah, que gostoooooooso! Gozei!
- Uuuuh! To... Gozaannnndo!
- Goza Amora, goza!
- Deliiiiiiiiicia!
- Amora?
- Hum!
- Vem quando?
- Amanhã de noite!
- Vou te esperar!
- Nuazinha na cama!
- Do jeito que você gosta!

--------------------------------------------------------------
© COPYRIGHT BY "PENSAMENTO INDECENTE"
Todos os Direitos Reservados
All Rights Reserved
DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS
Cópias e publicações permitidas, desde que acompanhadas dos créditos à autora do texto e link para para este blog: PENSAMENTOINDECENTE.COM
.